Blog dos Jovens Cientistas e Investigadores


Jovens Cientitstas em 2011
Janeiro 21, 2011, 12:32 pm
Filed under: Uncategorized

Depois de conseguirmos um 3º lugar na última edição da Final Europeia para Jovens Cientistas, em setembro de 2010, 2011 promete muito mais!

 

Está atento às novidades.



Testemunho de António Torres
Maio 5, 2010, 11:45 am
Filed under: Uncategorized

É com todo o gosto que escrevo o meu testemunho enquanto orientador de um projecto denominado TIC@pedal, que foi co-orientado com a minha colega Ana Ferreira e desenvolvido pelos nossos alunos António Costa, António Faria e João Soares.

Este projecto foi submetido em 2009 ao 17º Concurso de Jovens Cientistas e Investigadores e apresentado na III Mostra Nacional de Ciência.

Enquanto orientador, já tinha tido no ano transacto uma outra oportunidade(também muito positiva) de participação. Em 2009, confirmei essa minha anterior boa impressão com mais uma óptima experiência.

O Concurso JCI e a Mostra Nacional de Ciência são organizados exemplarmente pela Fundação da Juventude que através dos seus dirigentes e colaboradores proporcionam um evento fantástico e memorável aos seus participantes. Sublinho este excelente exemplo de boas práticas na sensibilização e motivação dos jovens para a ciência e tecnologia no contributo futuro para fazer deste mundo um lugar melhor. 

A participação neste evento faz-nos sentir envolvidos num ambiente de partilha de experiências e de conhecimento. Os intervenientes encaram o processo de uma forma muito profissional e ao mesmo tempo proporcionam um ambiente de convívio muito salutar. Na minha opinião, a participação neste concurso é uma experiência fabulosa para a vida de qualquer estudante.

Para além desta participação, o nosso projecto obteve em Lisboa um honroso resultado que nos levou em conjunto com o projecto ganhador à EUCYS´09 – Final Europeia de Jovens Cientistas que se realizou em Setembro em Paris. Não imaginam como foi gratificante esta oportunidade! Um reconhecimento alcançado pelo trabalho e esforço de uma equipa de alunos fabulosos.

Como devem imaginar, a participação em Paris foi inesquecível. A interacção internacional e a expectativa de que se rodeia a importância deste evento europeu não se esquecem facilmente.

Pela experiência vivida, pela aprendizagem e incentivo ao conhecimento, recomendo vivamente a todos os meus colegas que motivem os seus alunos a participarem em futuras edições dos Jovens Cientistas e Investigadores e em iniciativas equivalentes.

Termino este relato deixando o mais profundo agradecimento dirigido à Dra. Susana Chaves da Fundação da Juventude, não só pelo apoio nesta aventura europeia, como pela confiança que sempre depositou na equipa e no projecto e pela disponibilidade e amizade que sempre nos dispensou.

Felicidades para todos os futuros participantes,

António Torres



Projecto TIC@Pedal
Maio 5, 2010, 11:39 am
Filed under: Uncategorized

Participação na Mostra Ciência em Lisboa (17º Concurso Jovens Cientistas) de João Soares, António Faria, António Costa- projecto TIC@Pedal, acompanhados pelas docentes António Torres, Ana Ferreira e Diana Monteiro,

Esta Mostra realizou-se de 21 a 23 de Maio de 2009. Dos muitos projectos inscritos, foram seleccionados aproximadamente cem, entre os quais “TIC@Pedal, nº148” que tivemos o enorme privilégio de fazer parte. Trata-se de um projecto de engenharia, dirigido para combate do sedentarismo e obesidade nos jovens e ainda a produção de energia renovável. Trata-se de uma bicicleta reclinável, com suporte para computador portátil que, ao pedalar, produz energia eléctrica. Com este projecto decidimos então participar no concurso para o qual nos preparamos nos meses que antecederam. Durante a participação, o nervosismo crescia sempre que um júri nos entrevistava, queríamos mostrar tudo o que o nosso projecto representava e, simultaneamente, existia o receio de não nos conseguirmos fazer entender. Contra todas as nossas expectativas, fomos galardoados com o segundo lugar, algo que, de tão inesperado para nós, se tornou emocionante. Foi um dos dias mais importantes das nossas vidas pois, pelo termos participado numa Mostra de Ciência a nível internacional e ainda termos conseguido alcançar um nível tão elevado. Foi extraordinário para nós. A grandiosidade do evento deixou-nos perplexos, afinal de contas iríamos participar num concurso internacional, no qual estariam presentes os melhores projectos dos vários países. Esta seria uma das experiências mais marcantes para todos, uma vez que nunca nenhum de nós tinha até então feito participado numa aventura destas.

Iríamos poder, assim, conhecer outras culturas e fazer novas amizades e sobretudo representar o nosso país. Foi crescendo dentro de nós um sentimento de responsabilidade e de vontade em representar o país da melhor forma possível. No início, tivemos algumas dificuldades em nos adaptarmos mas que se foram ultrapassando, pois começamos a ter os primeiros contactos com outros participantes.

 O nervosismo aparecia quando um júri se aproximava, mas a nossa primeira avaliação do júri correu bem. Apesar do tempo que, por vezes, tínhamos que permanecer nos stands de exposição do projecto fomos procurando conhecer os outros projectos que eram de grande qualidade, e verificamos então, a existência de diversos temas e projectos muito aliciantes e prometedores. O nosso espírito de equipa esteve sempre presente, a capacidade de nos ajudarmos uns aos outros foi fundamental. Para além disso tínhamos a ajuda dos nossos docentes que estiveram sempre ao nosso lado, ajuda essa que foi essencial para podermos ultrapassar todas as dificuldades e podermos assim dar o nosso melhor. A cada hora que passava e a cada avaliação ao nosso projecto com um elemento do júri, crescia o receio de não termos explicado bem o nosso projecto e até que ponto teríamos passado a mensagem que queríamos transmitir. Uma das nossas maiores dificuldades foi explicar o projecto e funcionalidade em inglês. Contudo conseguimos ultrapassar tudo isto com uma entusiasmante vontade de expor mais e dar mais informações acerca do projecto. O contacto com pessoas de culturas e países completamente distintos foi fantástico, pois fomos aprendendo coisas que até então eram desconhecidas para nós. Pudemos ainda dar a conhecer um pouco da nossa cultura. E assim fizemos inúmeras amizades, espalhadas por todos os continentes, o que aumentou em larga escala a nossa agenda de contactos. Para nós, o objectivo deste concurso concretizou-se: aprender, desenvolver, conhecer e aumentar o interesse que são mais-valias para os jovens. Descobrimos que a participação num concurso destes poderá ter importância na construção de um futuro melhor, sem dúvida que foi muito motivador. Por isso, concursos como este, são sem dúvida uma mais-valia. Esta experiência desenvolveu em cada um de nós valores necessários para nos ajudar a preparar em adultos de amanhã bem alicerçados para dirigir um mundo melhor.



Testemunho de Vanessa Reis e Francisco Silva
Maio 5, 2010, 11:31 am
Filed under: Uncategorized

No nosso primeiro ano do ensino secundário iniciámos com 6 colegas (Vanessa, Cláudia, Madalena, Fábio, Ricardo e Rúben) um projecto sobre a Borboleta Monarca em Odemira coordenado pela professora Paula Canha. Durante o 10º e o 11º ano dedicámo-nos ao projecto realizando trabalho de pesquisa e trabalho de campo nas horas livres.

Em Março de 2009 surgiu a primeira oportunidade para podermos representar o nosso projecto num evento científico: ISWEEEP– International Sustainable World (Energy, Engineering and Environment) Project Olympiad, em Houston, Texas, EUA. 

O projecto foi então representado pela Cláudia e pelo Rúben no concurso e galardoado com a medalha de bronze.

Foi então que, em Abril do mesmo ano, surgiu a possibilidade de participarmos no Concurso de Jovens Cientistas e Investigadores 2009, sendo que desta vez os representantes do projecto fomos nós (Vanessa e Francisco).

Passámos dias inesquecíveis no Museu da Electricidade, em que tivemos a oportunidade de conhecer outros projectos e outras pessoas, de Norte a Sul do país.

No primeiro dia, após termos conhecido alguns projectos excelentes, excluíamos a hipótese de poder ganhar algum prémio… quando muito admitiamos uma menção honrosa. Ficámos impressionados com a diversidade de trabalhos da Mostra e a qualidade científica dos projectos.

No dia da entrega dos prémios, chegámos atrasados pelo que permanecemos de pé durante toda a cerimónia. Começaram a chamar os projectos vencedores de menções honrosas, altura em que o nome da nossa escola foi chamado ao palco com o projecto sobre propagação in vitro de Plantago almogravensis. Ficámos felizes mas simultaneamente a nossa esperança de ganhar algum prémio desvaneceu-se. Não é que ganhar fosse verdadeiramente importante, mas seria uma excelente recompensa do imenso trabalho realizado. A esperança desapareceu completamente após o anúncio do 2º lugar… até ouvirmos o nº 111! Surgiu em nós um turbilhão de emoções. Ficámos verdadeiramente felizes, e com as pernas a tremer dirigimo-nos para o palco, tentando perceber se aquilo estava mesmo a acontecer-nos. Ao longo desse percurso muitas pessoas nos davam os parabéns: desconhecidos, colegas, novos amigos e finalmente na primeira fila a professora Paula Canha, também ela tão emocionada quanto nós. Fomos ainda congratulados pela Ministra da Educação e tornámo-nos o centro das atenções para a imprensa, sendo tudo isto novo para nós. Ficámos um tanto atordoados!

Tínhamos agora um outro concurso pela frente: a Final Europeia em Paris (EUCYS-European Union Contest for Young Scientists). À medida que se aproximava a data da viagem para Paris, a ansiedade ia aumentando; afinal de contas tínhamos a responsabilidade de representar Portugal. Tentámos preparar-nos o melhor possível, concentrando os maiores esforços no cartaz, na defesa do trabalho e no treino do inglês.

No dia 11 de Setembro de 2009, do Porto embarcámos rumo a Paris juntamente com o grupo vencedor do 2ºlugar e com os nervos à flor da pele. Chegados ao aeroporto de Paris, tínhamos um representante da organização com uma bandeira de Portugal na mão, claramente à nossa espera. E como esse haviam outros elementos com bandeiras de vários países na mão esperando participantes.

Por momentos esquecemos as responsabilidades, quando nos impressionámos com a beleza da cidade. Todos os lugares onde passámos nos pareciam lindos, talvez por ser tudo novo e diferente para nós.

Na mostra de ciência, inicialmente o nervosismo era o sentimento que prevalecia em nós, mas após algumas apresentações começámos a ambientar-nos, ficámos mais descontraídos e deste modo aproveitámos de uma melhor forma a nossa presença no concurso pois tivemos a oportunidade de, para além de dar a conhecer o nosso projecto, conhecer outros projectos e outros jovens de outras culturas.

Deste concurso não trouxemos qualquer prémio, mas mais uma vez, ganhar não era o mais importante e a participação neste concurso foi uma óptima experiência para nós e proporcionou-nos momentos inesquecíveis.

Mais tarde tivemos ainda oportunidade de apresentar o nosso projecto ao Senhor Presidente da República, aquando da inauguração da Fábrica das Artes, no Porto.

Todas estas experiências nos proporcionaram novos conhecimentos, nos permitiram fazer muitos amigos e nos fizeram crescer como pessoas. Valeu a pena!



Testemunho de Sandra Lopes
Julho 23, 2009, 10:09 am
Filed under: Uncategorized

Sandra Lopes, Stephanie Correia e Iúri Frias, um grupo de três açorianos, acompanhado pelas docentes Odília Macebo e Ana Flores, parte para Houston, Texas, a fim de participar no ISWEEEP – International Sustainable World (Energy, Engineering and Environment) Project Olympiad, de 15 a 20 de Abril de 2009.

Dos 1650 projectos inscritos, foram seleccionados 450 entre os quais “Rota das Lagoas, 27” teve o enorme privilégio de fazer parte. Trata-se de um projecto de cariz científico, dirigido para a envolvente ambiental que reveste as lagoas pertencentes ao Maciço das Sete Cidades, na ilha de S. Miguel, Açores.

Com este projecto já havíamos participado na II Mostra da Ciência, em Lisboa, tendo sido galardoados com uma Menção Honrosa, tal como veio a acontecer no ISWEEEP.

Inicialmente, a grandiosidade do evento deixou-nos perplexos, afinal de contas iríamos participar num concurso internacional, no qual estariam presentes cerca de 600 alunos vindos de todos os continentes, 360 supervisores e 220 júris. No entanto, o receio dissipou-se a partir do momento em que nos começamos a envolver no meio do ambiente eufórico que vibrava entre os participantes.

Pudemos verificar também a existência não só de diversos temas, mas também de temas semelhantes explorados nas suas mais diversas vertentes e das mais variadas formas.

O nosso espírito de equipa foi posto à prova por diversas vezes, bem como a capacidade de improvisar face às inimagináveis curiosidades reveladas pelos júris que pela banca portuguesa passavam. A cada hora que passava e a cada avaliação tida a cabo por um elemento do júri a nossa confiança aumentava e o receio de dizer alguma asneira (já que o inglês não era a nossa língua mãe) era substituído por uma entusiasmante vontade de expor mais e mais informações acerca do projecto.

O contacto com pessoas de culturas e países completamente distintos, cuja facilidade em comunicar em inglês era tão igualada à nossa, tornou tudo tão mais fácil. O medo de não conseguir comunicar tornou-se na mais engraçada aventura pela descoberta de palavras novas nas mais diversas línguas. E assim se fizeram inúmeras amizades, espalhadas por todos os continentes, o que aumentou em larga escala a nossa agenda de contactos.

A meu ver, e dos meus companheiros de grupo, o objectivo deste concurso concretizou-se: desenvolver o interesse e ajudar os jovens a descobrir a importância da sua participação na construção de um futuro melhor para todos.

Por isso, concursos como este, nomeadamente os levados a cabo pela Fundação da Juventude, são sempre uma mais-valia para desenvolver em cada um dos jovens de hoje os valores necessários para que se tornem os adultos de amanhã mais preparados para dirigir um mundo tão cheio de obstáculos à harmonia.



Testemunho de Sérgio Almeida
Maio 25, 2009, 5:11 pm
Filed under: Uncategorized

Uma experiência para repetir é assim que à chegada a Portugal, todos os elementos do grupo português descreviam a sua viagem à capital da Dinamarca para participar no vigésimo concurso europeu para jovens cientistas e investigadores.

O ponto de partida da nossa viagem começa cedo, bastante cedo para quem está habituado às horas de acordar das férias de verão. Eram cinco da madrugada, ainda em Portugal, e já os três elementos do grupo sentiam que esta estadia de uma semana no norte da Europa seria um experiência singular. Um travessia comum, foi assim que correu a nossa viagem de avião desde o Porto, passando por Lisboa e finalmente chegando à capital dinamarquesa.

Esta cidade criou um impacto surpreendente em todos os elementos, destacava-se a sua grande diversidade arquitectónica que conjuga os habituais estilos nórdicos com estruturas de características modernas. Um dos grandes edifícios da era moderna presente em Copenhaga é a biblioteca municipal, designada de “Diamante Negro”, pois assemelha-se à forma de um diamante que consoante a exposição solar, reflecte e aparenta brilhar como um diamante verdadeiro. Um facto curioso é que grande parte da população utiliza como meio de transporte a bicicleta. Era usual encontrar em cada canto da cidade, bicicletas encostadas às paredes de casas, isto porque os parques de bicicleta já se encontravam totalmente lotados.

Para esta nova exposição foi-nos pedido a construção de um novo poster. Se a elaboração do poster para Lisboa tinha sido um trabalho exaustivo, imagine-se a disposição quando foi projectado um poster que tinha o triplo da dimensão do primeiro. Na verdade, a criação deste poster não foi somente juntar os dados e copia-los para um tela gigante, mas sim a aprendizagem de novas técnicas de formatação e síntese de um artigo, algo muito útil para elementos que tinham acabado de entrar para o mundo do ensino superior.

Apesar de mais experientes na forma de lidar com os juízes de prova, os nervos e a ansiedade eram dominantes durante os dias de exposição. Ao contrário de Lisboa, existia dias em que apenas a sala se encontrava aberta aos juízes e dias em que era aberta somente ao público. Uma das formas que o grupo encontrou para passar o tempo foi começar a jogar ao vulgar jogo das palavras, este tornou-se um vício até ao final da nossa estadia. Mas, sem dúvida que esta foi uma das grandes experiências da nossa vida, foi-nos dado a conhecer grandes nomes da ciência europeia, que transmitiram o seu vigor e motivação a todos os participantes.

Era o primeiro dia de entrega de prémios, estes designados “Special Prize Awards” , o grupo sentia que as entrevistas tinham corrido de forma razoável, mas não sabia o que lhes reservava a noite. Para nossa surpresa, o embaixador português compareceu a esta entrega de prémios. Foi então que no anúncio do “The Danish Climate Prize” começaram por chamar os nossos nomes, o grupo estranhou, claro que também devido à pronúncia nórdica não se chega a perceber totalmente o nosso nome. O grupo subiu ao palco onde se encontravam o ministro da educação dinamarquês e a directora geral do concurso para entregar o certificado do prémio, e para nossa surpresa uma viagem de novo à capital dinamarquesa para participar no congresso mundial para as alterações climáticas.

É sabido que nunca teríamos conseguido chegar tão longe sem a ajuda de certas pessoas e instituições, uma das pessoas que merece da nossa parte um grande respeito é o professor Filipe Ressurreição, um grande amigo e sem dúvida um exemplo.

Resta-me ainda desejar aos futuros vencedores, primeiro os meus parabéns e em segundo que vivam ao máximo esta experiência única, que sem dúvida vos permitirá uma nova visão das ciências.



Testemunho de Vasco Sá Pinto
Fevereiro 20, 2009, 11:19 am
Filed under: Uncategorized
 É com o maior prazer que venho aqui deixar o nosso testemunho daquela que terá sido uma das mais entusiasmantes experiências das nossas vidas; e isto dito sem qualquer sentimentalismos, porque a participação no Jovens Cientistas e Investigadores 2008 e tudo o que daí incorreu foi efectiva e objectivamente um dos nossos momentos mais altos e enriquecedores. Embora o nosso grupo seja constituído por 3 elementos – eu, Sérgio e Beatriz – é com explícito consentimento e implícito entendimento de todos que partilharei o nosso percurso.Uma pequena introdução ao grupo: eu e o Sérgio, então estudantes do 12º ano na Escola Secundária Júlio Dinis de Ovar, já nos conhecíamos e estávamos a trabalhar juntos para a disciplina de Área de Projecto, no âmbito da toxicidade dos PCBs; a Beatriz, Escola Secundária de Arouca, também 12º ano, nossa desconhecida na altura, fazia parte também de um projecto semelhante na escola dela. O elemento comum aos dois grupos e eventual motor da cooperação entre os 3 foi aquele que viria a ser o coordenador do grupo no JCI, o professor Filipe Ressurreição.

O prazer que advém da descoberta científica e do realizar de um trabalho de investigação é por si só enorme, mas ter em mira a participação num concurso da dimensão e natureza do JCI foi algo que sempre considerámos muito positivo. Primeiro porque é frequentemente a participação neste tipo de eventos que providencia os contactos e apoios importantes para a realização de novos projectos; em segundo porque é basicamente uma mina de oportunidades e experiências enriquecedoras, não só do ponto de vista intelectual, mas falando também de momentos de diversão e bem-estar. Depois de ter tudo isto dito, é caricato pensar que a nossa participação esteve perto de ser adiada, devido ao incrível atraso no finalizar do nosso projecto que nos fez apresentar o nosso dossier à organização naquela que foi a maior tangente ao prazo limite de entrega da história do JCI.

A selecção do nosso projecto para a II Mostra Nacional de Ciência foi um momento de grande orgulho, estando nós ainda longe de conceber onde tudo aquilo nos iria levar. A participação na Mostra foi o primeiro grande teste ao grupo e à nossa capacidade de defender o projecto; foi no entanto com o mais honesto dos entusiasmos (mais uma vez, sem sentimentalismos, foi mesmo isto que senti) que encarei as rondas de avaliação e as entrevistas com os elementos do júri – neste caso talvez eu, Vasco, em especial, por ser o porta-voz do grupo; mas este nervosismo ‘dinâmico’ era de facto comum aos 3. No entanto, há algo importante: nós fomos para Lisboa com o que eu apelido de “expectativa zero” – não que pensássemos que não teríamos hipótese de ganhar algo, pura e simplesmente não pensávamos em prémios, nem positiva nem negativamente. As rondas com os júris eram excitantes, não porque dali resultaria a nossa classificação final, mas sim porque íamos finalmente estar frente a frente com especialistas na matéria, figuras reconhecidas no meio académico que nos questionariam e escrutinariam o nosso trabalho com verdadeiro rigor científico (mas sempre amavelmente, demarque-se), dando-nos a provar o elã tão característico do mundo da Investigação “à séria”. Paralelamente, fizemos algo que aconselho a todos os que participem num evento do género: visitámos literalmente todos stands e conversámos e criámos amizade com muitos dos outros participantes. Antes de ser uma plataforma de reconhecimento e prémios, este tipo de encontros são, para nós participantes, principalmente uma oportunidade para absorvermos o máximo possível de novas ideias, novas perspectivas e novas amizades. Quando o nosso grupo foi enfim anunciado como vencedor do 1º prémio foi, primeiro, uma surpresa e depois uma onda de satisfação enorme, como é fácil de adivinhar. O que já não será tão fácil de adivinhar é que, para mim (e aqui falo de facto a título pessoal), este não foi o apogeu da minha participação na Mostra; tenho noção que corro um grande risco de me considerarem hipócrita ao dizer isto, mas a mais honesta das verdades é que o que mais prazer me deu foram as conversas com o júri sobre o nosso trabalho e sobre a Investigação em geral. Mas longe de mim menosprezar o prémio que ganhámos, exibo-o com orgulho sempre que a ocasião me permite fazê-lo sem parecer um verdadeiro convencido.

E pensar que tudo isto seria apenas o início de algo ainda maior… Sim, porque estávamos automaticamente seleccionados para participar na Final Europeia do concurso, a realizar na longínqua mas entusiasmante cidade de Copenhaga.